Sitemap: Indexação rápida no Google

Por ,
em

Sitemap indexação GoogleRecentemente, nosso fórum do #OpenSEO tem recebido uma grande quantidade de perguntas sobre a verdadeira função do código sitemap e também sobre a maneira correta de usá-lo em uma página da web.

Para acabar de vez com todas as dúvidas sobre esse assunto, nada melhor que um post feito especialmente para explicar todas as finalidades, os tipos e as maneiras de implementar o sitemap na sua página sem dificuldade alguma.

O que são Sitemaps e como eles ajudam na indexação do Google?

Sitemaps são o que podemos chamar de facilitadores de indexação. São eles que informam os motores de busca sobre todas as páginas publicadas no site, mesmo que não tenha links dentro do site apontando para ela. Vale lembrar que como tudo na vida, o uso de sitemaps não oferece certeza de inclusão para todas as páginas, mas o Google será informado da existência da página.

Com eles, os “Crawlers” do Google podem encontrar com mais facilidade algumas páginas que da maneira tradicional demorariam um tempo maior para serem descobertas – como é caso de páginas com conteúdo dinâmico.

Entretanto, o uso mais frequente dos sitemaps está ligado à necessidade de fornecer informações adicionais aos buscadores e consequentemente estabelecer maior relevância perante eles. É o caso dos códigos programados para informar a frequência de alteração das páginas, a data em que uma página foi alterada pela última vez e principalmente a importância de uma página em relação às outras de um mesmo site.

Os tipos de Sitemaps

Sitemaps.XML

Vou começar pelo que considero mais interessante e completo, os Sitemaps XML. Esse código é na verdade um arquivo XML que traz consigo uma lista de URLs de uma página, além de inúmeros “metadados” sobre cada uma delas. Você pode adicionar nesse arquivo informações como data de atualização, relevância de páginas, informações importantes para um eficaz rastreamento dos algoritmos do Google e de outros buscadores.

50 mil URLs ou 10MB, esse é o limite que aconselhamos para o tamanho de seu arquivo XML. Números que funcionam como garantia de eficiência na indexação. Caso seja necessário adicionar mais de 10MB de informações, você pode dividir as informações em pastas menores nomeadas em sequência.

Se seu site possui uma divisão focada em subdomínios ou pastas é importante que seu sitemap também esteja dividido dessa forma. Assim evitamos confusões nos algoritmos e obtemos uma indexação ainda mais rápida pelos buscadores.

<?xml version=”1.0″ encoding=”UTF-8″?>

<urlset xmlns=”http://www.sitemaps.org/schemas/sitemap/0.9″>

<url>

<loc>http://www.seusite.com.br/</loc>

<lastmod>2010-10-31</lastmod>

<changefreq>daily</changefreq>

<priority>1</priority>

</url>

</urlset>

O exemplo é de uma sitemap simples de apenas uma URL, mas muito eficiente. Você pode notar que existem alguns atributos especiais na programação de seu código.

Atributos Sitemap.XML

O atributo <urlset> é de uso obrigatório na programação XML. Ele tem a função de informar o conjunto de páginas do sitemap. Além disso, também restringe o padrão do protocolo de programação que será usado através do xmlns.

Já o atributo <url> que também é obrigatório tem a função de demonstrar qual será a URL mãe dos dados anexados em seguida. Para cada uma das URLs que você adicionar será necessário a criação de uma nova tag url.

<loc> é a tag onde você colocará o URL na qual você deseja adicionar informações. O endereço deve estar completo e totalmente limpo de caracteres especiais.

A partir daqui começam a entrar em vigor as tag opcionais – são elas que oferecem os dados complementares aos buscadores. É o caso da tag <lastmod>, uma tag usada para demonstrar a data da última modificação no conteúdo de uma página.

<changefreq> representa a frequência de alterações feitas na página. O comando deve ser feito em inglês como, por exemplo, se a frequência de alterações é diária, você deve usar a palavra “daily”.

O último atributo é o <priority>, comando usado para estipular relevância de uma página para o site. Os valores vão de 0.1, menor valor de importância, até 1.0 que é o maior valor que pode ser estipulado.

Você pode utilizar sistemas para criar sitemap automaticamente ou plugins, como o plugin Google XML Sitemaps.

Sitemap de Vídeo

A quantidade de vídeos disponíveis na internet e em diversos sites abriu a necessidade da criação de um sitemap exclusivo para eles. Essa programação funciona basicamente como um ficheiro de texto onde todas as informações sobre os vídeos da sua página então anexadas.

Usar um movie-sitemap é importante para a otimização de sua página, pois ele funciona como um complemento para os outros tipos de sitemaps. Fato que aumenta ainda mais a presença e o posicionamento do seu site nas SERPs dos buscadores.

Para facilitar a vida dos programadores e também a sua, vários plugins foram lançados para aumentar a taxa de indexação dos vídeos nos resultados do Google. Um dos melhores é o Google XML Sitemap for videos, uma extensão que aceita vários tipos de vídeos incluindo Youtube, Vimeo e outros grandes sites de compartilhamentos.

Sitemap de Imagens

Esse sitemap de imagens também é um arquivo de classe XML. Para programar basta para cada URL que você adicionar em seu sitemap tradicional, inserir informações adicionais sobre todas as imagens que a página possui.

Novamente a importância desse tipo de sitemap está na complementação que ele oferece à otimização de uma simples página ou até de um site inteiro. O Google possui uma área especialmente criada para ajudar na criação de códigos de sitemap de imagem e facilitar o trabalho dos webmasters.

Sitemap de Notícias

Sitemap News

Esse pode ser considerado como um dos mais novos sitemaps criados pelo Google. O News Sitemap possui a função de facilitar o trabalho de rastreamento de notícias que serão indexadas à página de notícias do Google.

Sendo assim, ele é importante para a divulgação de sua página no Google e também para a transmissão de relevância para o posicionamento nas SERPs. O Google oferece uma sessão inteiramente feita para Sitemap de notícias, além de informações sobre procedimentos de criação e modos de envio.

Sitemap mobile

Os sitemaps direcionados a aparelhos celulares e tablets são extremamente importantes se você quer aumentar a sua otimização para a nova onda da internet móvel. Esse tipo de código também é de classe XML, mas infelizmente o Google e a grande maioria dos outros principais buscadores possuem suporte somente para alguns tipos de linguagem de marcação.

As linguagens suportadas são as do Perfil móvel XHTML ou como também é conhecido, WAP 2.0. Além desse, a linguagem WML conhecida como WAP 1.2 também esta suportada pelo Google.

São poucos e na maioria das vezes desconhecidos os plugins que possuem a opção de criar sitemaps mobile com facilidade. Um dos mais usados é o A1 sitemap Generator. 

Sitemap Dinâmico

Esse tipo de sitemap pode ser considerado simples, mas é importantíssimo para o aumento da relevância de um site. Eles funcionam como scripts que possuem a função de atualizar o arquivo XML cada vez que uma página ou matérias são atualizadas.

Webmasters podem usufruir de diversas ferramentas e plugins úteis na criação de sitemaps dinâmicos. Como é o caso do Enarion PHP, script gratuito escrito em PHP, mas que também gera arquivos em RSS-base e txt.

Para quem possui o site em formato WordPress, o ideal é o Google XML Sitemaps. Essa extensão suporta todos os diferentes tipos de páginas WordPress, além de URLs personalizadas. 

GEO Sitemaps

Geo Sitemaps são códigos usados também para completar o seu sitemap tradicional. Com ele o site mostra ao Google sua localização, informação que implica no melhor posicionamento para buscas locais.

Por exemplo, uma padaria em São Paulo possui o Geo Sitemap implementado em seu site. Assim que alguém que também esteja na cidade fizer a pesquisa por padarias, esse site com sitemap de geolocalização terá maior relevância para os algoritmos do buscador.

Atualmente o Google não aceita mais a extensão GEO para o protocolo sitemap, mas tal problema pode ser facilmente contornado adicionando os arquivos KML. De qualquer forma, o plugin Geo Sitemap vai ajudar você a inserir esse arquivo no seu site da forma correta.

Como enviar seu sitemap?

Enviar SitemapDepois de criar um sitemap você deve enviá-lo ao Google usando as ferramentas Google Webmaster. O procedimento é simples, para começar você precisa adicionar seu site à sua conta Webmaster Tool. Após inserir seu site e seguir os passos de confirmação, você já terá uma linha completa de informações sobre status, além de várias ferramentas disponíveis.

Agora vá até a página “painel” e selecione a opção otimização. O clique lhe dará acesso a várias opções, selecione a palavra Sitemaps na barra de navegação que está à esquerda do seu monitor.

Nessa seção você tem na parte superior direito do monitor a opção “Enviar/testar sitemap”. Ao selecioná-la, uma caixa de texto se abrirá e você poderá adicionar o caminho de seu sitemap. Finalize clicando em Enviar Sitemap.

Essa é a forma mais rápida para você enviar seu novo sitemap para indexação no Google, mas também existem outras formas mais complexas. A página de suporte Google webmaster Tools possui todas as informações que você vai precisar para enviar sitemaps usando o arquivo robots.txt e solicitações de HTTP.

Com tantas informações você deve estar pensando que sitemaps são as coisas mais importantes para um site, mas vamos com calma. Esse atributo realmente é fundamental para o sucesso contínuo de uma página, mas é também apenas uma parte de um grande contexto onde o SEO é a solução.

Lembre-se que, sobretudo, um site deve ser feito para ter relevância para os usuários. Afinal de contas, são eles que promovem a interação e a promoção de sua página para outras pessoas.

Até a próxima.

A Conversion na mídia
Rede Globo de Televisão SBT Rede Record TV Bandeirantes Portal do UOL Yahoo Notícias Diário do Comércio e Indústria
Voltar ao Topo
fechar

Solicite Orçamento