Twitter completa dez anos com a missão de recuperar a relevância

Por ,
em

Reportagem de O Globo analisa dez anos da rede social e entrevista Diretor de Atendimento da Conversion, Túllio Bassi. 

Há exatos dez anos, Jack Dorsey dava início a uma revolução com até 140 caracteres com a frase: “apenas ajustando o meu twttr (como o site se chamava no início)”. Agora, o cofundador do Twitter está de volta ao comando da companhia com a missão de recuperar o prestígio da plataforma entre anunciantes e investidores. No ano, a empresa já perdeu quase 30% de seu valor de mercado. Em relação à oferta pública inicial, em 2013, as perdas são de 60%.

Desde que reassumiu o cargo de diretor executivo do Twitter, há cerca de dez meses, Dorsey vem anunciando novidade atrás de novidade. Com o Moments, ferramenta que organiza tweets por assunto, usuários têm mais facilidade para encontrar assuntos relevantes no momento. As mudanças mais recentes foram a integração de vídeos do Periscope (aplicativo de transmissões ao vivo) à timeline e a forma de exibição dos tweets, que adicionou à tradicional ordem cronológica, publicações ordenadas pela relevância.

— É adapte ou morra, esse é o nível da situação — avalia Vitor Lima, professor de Marketing Digital da ESPM. — Ou recupera a relevância ou vai sumir. O lançamento do Moments e do Periscope são tentativas de renovação.

A busca por novidades foi tão intensa que até mesmo o característico limite de 140 caracteres ficou na berlinda. No fim do ano passado começaram a surgir boatos que o Twitter estava estudando formas para permitir textos mais longos, mas a ideia foi abandonada. E apesar das mudanças, os números depõem contra o projeto de recuperação.

No último balanço trimestral, relativo ao período encerrado em dezembro do ano passado, a plataforma registrou sua primeira queda no número de usuários. Em números gerais, foram mantidos os 320 milhões de usuários ativos do trimestre anterior, mas descontando os que usam o programa por SMS, a base diminuiu de 307 milhões para 305 milhões. A plataforma foi ultrapassada em setembro do ano passado pelo Instagram, que cruzou a marca dos 400 milhões de usuários, e tem menos de um quinto dos 1,59 bilhão de usuários do Facebook. Mas, aparentemente, essa não é uma preocupação para Dorsey.

— Eu acho que quando algo cresce, você começa a prestar atenção nas pessoas que você não tem em vez das pessoas que você tem — disse o CEO do Twitter em entrevista à Bloomberg. — E nós temos o pensamento de construir uma ferramenta mais forte e poderosa para as pessoas que nós temos. E quando você faz isso, quando você tem esse foco, a tendência é crescer.

FATURAMENTO EM ALTA

O momento é delicado, mas o Twitter está fazendo dinheiro como nunca. No ano passado, a companhia faturou US$ 2,2 bilhões, crescimento de 58% em relação ao ano anterior, mas continua deficitária. No quarto trimestre do ano, a receita foi de US$ 710 milhões, gerada sobretudo pela publicidade. De acordo com os números da companhia, em dezembro existiam 130 mil anunciantes ativos, crescimento de 90% em relação ao mesmo período do ano anterior.

— Para os anunciantes, o Twitter não deixou de ser relevante. 320 milhões de pessoas é muita gente — diz Tullio Bassi, diretor da agência Conversion. — O Twitter quer se tornar uma rede social cada vez mais prática e fácil de usar, mesmo para quem não tem conta, e imediatista. Até para conter o avanço do Snapchat.

Segundo Dorsey, a velocidade das informações é o maior ativo da companhia nestes dez anos de existência. São milhões de pessoas conversando sobre assuntos que estão acontecendo naquele instante. Como exemplo, ele citou um terremoto que abalou San Francisco em 2011. Antes de sentir o tremor, ele sentiu a vibração do smartphone, com usuários do Twitter avisando sobre o terremoto.

— Eu acho que o nosso valor número 1 que trazemos para qualquer evento ao vivo é velocidade e rapidez na nossa entrega de informação, opiniões e entretenimento — disse Dorsey. — Twitter pode ser destilado para a simplicidade de “aqui está o que acontece agora, aqui está o que vai acontecer”.

Fonte: O Globo.com – Publicado em 21 de março de 2016

A Conversion na mídia
Rede Globo de Televisão SBT Rede Record TV Bandeirantes Portal do UOL Yahoo Notícias Diário do Comércio e Indústria
Voltar ao Topo
fechar

Solicite Orçamento