URLs amigáveis: estáticas, dinâmicas, curtas e encurtadores

Por ,
em

URLs amigáveisAs URLs amigáveis são, segundo a ótica de muitas pessoas, a primeira maneira de identificar que um site foi feito pensando em SEO, o que não deixa de ser verdade. Creio que não seja preciso dizer que SEO seja muito, muito mais do que as URL amigáveis; mas é verdade que há nelas um bom ponto de partida do qual podemos extrair conceitos interessantes.

No artigo de hoje, que funciona como complemento à segunda aula do Curso de SEO, vamos nos aprofundar um pouco nesse tópico importante e entender as dificuldades comumente enfrentadas por quem procura implementar URLs amigáveis e responder às dúvidas que me parecem as mais comuns.

Por que as URLs amigáveis são importantes

Assim como um site poderia ser acessado pelo seu endereço de IP e o domínio o ajuda a ser mais comercial e amigável para o usuário, creio que as URLs amigáveis ajudem o usuário a compreender melhor a página que estão acessando e assim sintam-se mais confiantes em relação ao conteúdo apresentado, bem como a realizar uma compra.

Isso não vale para todos os usuários, pois muitos deles não costumam dar importância para a URL. Mas muitos se importam sim.

Veja alguns exemplos de URLs amigáveis:

http://www.dominio.com/diretorio/nome-do-arquivo.html

http://www.dominio.com/nome-do-arquivo.html

http://www.dominio.com/diretorio/nome-da-pagina/

http://www.dominio.com/nome-da-pagina/

http://www.dominio.com/diretorio/sub-diretorio/nome-da-pagina/

etc.

Evitando conteúdo duplicado

Uma outra grande vantagem das URLs amigáveis é que elas ajudam a evitar o famigerado e temido conteúdo duplicado, que pode reduzir em muito o potencial de um site, porque o robô do Google em vez de indexar e atualizar as páginas devidas, fica indexando páginas dinâmicas que no fundo são iguais a todas as outras.

Isso acontece porque muitos sites dinâmicos costumam adicionar um parâmetro (ex.: &filtro-genero=masculino) às URLs existentes, mesmo que a URL já tenha esse filtro e o robô do Google as indexa, porque não entende que essas URLs não são no fundo a mesma página.

Você pode evitar o conteúdo duplicado implementando a canonical tag, como falaremos num artigo muito em breve.

URLs amigáveis em sites estáticos

As URLs dinâmicas em sites estáticos são muito simples de se implementar, uma vez que a exibição da página não está condicionada a nenhum sistema back-end.

Por isso, para implementar URLs amigáveis em sites estáticos basta nomear o arquivo com um termo útil para o usuário (ex: urls-amigaveis.html). Nos dias de hoje, é verdade, poucos sites que são desenvolvidos costumam ser estáticos, mas nunca é demais lembrar.

Se o seu site tiver seções, ainda que estático, use diretórios (ex.: seo/urls-amigaveis.html) para separar os arquivos de modo que a navegação fique mais organizada e jamais se esqueça de trabalhar com breadcrumbs em sites que tenham pelo menos 3 seções distintas.

URLs amigáveis em sites dinâmicos

As URLs amigáveis dinâmicas surgem provavelmente no contexto de que sites dinâmicos (isto é, desenvolvidos e com páginas geradas em alguma linguagem de programação) procuravam simular uma URL tradicional, de sites feitos em HTML, a fim de que a experiência de navegação não causasse nenhum tipo de espanto por conta de URLs gigantescas, muito comuns em sites complexos.

Podemos dizer, ainda, que o SEO contribuiu muito para que elas se popularizassem. Hoje, as URLs amigáveis são praticamente uma regra.

Sites dinâmicos costumam ter a URL feita da seguinte forma:

http://www.dominio.com/diretorio/nomedoarquivo.aspx?id=2398489234

Na URL acima, uma página é gerada diretamente pelo arquivo (ou script) nomedoarquivo.aspx, que busca as informações na base de dados para trazer ao usuário em forma de HTML. O parâmetro ID na URL poderia ser, por exemplo, o ID de um produto ou conteúdo na base de dados.

Uma boa solução para sites dinâmicos poderem ter URLs amigáveis é trabalhar com o mod_rewrite no Apache ou o módulo URL Rewrite no IIS, que costumam vir pré-configurados em servidores novos e  nos melhores provedores de hospedagem. Os artigos linkados são um bom guia para a implementação de URLs amigáveis tanto em servidores Linux, quanto em servidores Windows.

URL não basta ser amigável, tem que ter a keyword

Do ponto de vista do SEO, não basta que as URLs sejam amigáveis, elas precisam ter a palavra-chave buscada no Google ou outros mecanismos de busca, para que se faça um negrito e chame a atenção do usuário. Podemos lembrar que o CTR (taxa de clique) dos resultados orgânicos são critérios de posicionamento de sites.

URL não basta ser amigável, tem que ter a keyword

Quando uma URL conta com a palavra-chave, a probabilidade de receber um clique é muito maior porque o usuário acredita que aquela página é justamente sobre aquilo que ele procura.

Criando uma URL amigável

As URLs, entretanto, não são critério direto de posicionamento de um site.

Ou seja, o Google não vai posicionar ou tirar posições de um site por causa de sua URL, mas essa URL poderia trazer mais resultados por ser mais fácil, amigável e atrair, por isso, mais atenção nas SERP (páginas de resultados de busca) por parte do potencial visitante.

Portanto, ao criar uma URL você deve pensar nos pontos acima e seguem algumas recomendações minhas:

Não use espaços: sempre que houver um espaço entre uma palavra e outra, use traços (-);

– Não use acentos: as URLs devem ter apenas caracteres universalmente aceitos (caracteres alfanuméricos e barras), para evitar incompatibilidade de qualquer gênero;

– Separe por diretórios: ao usar estrutura de URLs no seu diretório seu usuário (e o Google) podem entender que aquela página, do ponto de vista da hierarquia da informação, está submetida à determinada seção;

– Use palavras-chave: use a palavra-chave na URL para a qual sua página está sendo otimizada;

– Use extensão (.html) ou barra (/): é mais fácil implementar URLs amigáveis com uma extensão .html, porque é mais amigável para o usuário, mas eu confesso preferir as que usam a barra final por serem mais bonitas e, principalmente, mais curtas. No caso de usar barras, não se esqueça de fazer um redirect 301 quando a pessoa esquecer de coloca-las (importante!);

– Evite usar a ID da página: obviamente, é muito mais fácil programar URLs amigáveis que têm a ID da página e do ponto de vista de SEO isso não faz muita diferença. Mas sempre que for possível, evite colocar identificações numéricas na página, a não ser que seja indispensável e/ou faça parte de sua estratégia de URLs amigáveis.

Permalink do WordPress

Temos um guia de WordPress SEO, onde explicamos como poderiam ser os permalinks de seus posts e páginas no WordPress, inclusive como configurá-los.

URLs curtas

URLs curtas

O site Letras.mus.br, que é um dos mais acessados no Brasil, tem URLs amigáveis mas entretanto não traz o nome da letra na URL, por acreditar que isso seja mais útil para seus usuários, que provavelmente compartilham muito as letras em redes socais e mensagens instantâneos, como Live Messenger, Skype, Gtalk, etc. Neste caso, eu realmente acho que é uma jogada de mestre não usar as URLs amigáveis com palavras-chave, mas apenas com uma ID numérica.

(Isso pode parecer um pouco contraditório em relação ao que disse anteriormente, mas em SEO quase nunca há uma receita de bolo; temos de renovar e estar preparados para algo ser melhor em um contexto, pior em outro.)

Entretanto, maior jogada de mestre é que eles conseguem ficar bem posicionados, e o nome da música (Like a Rolling Stone, neste exemplo) aparece na URL por conta de um recurso do Google de identificar a arquitetura da informação e nome dos arquivos.

Essa é uma prova de que para fazer bem SEO é preciso, antes de tudo, pensar no seu usuário. Depois, o Google e o profissional de SEO dão um jeito de identificar os melhores sites.

Url curta

Encurtador de URLs

O site acima, nos faz lembrar de que as pessoas querem URLs curtas para poderem compartilhar os links em redes sociais. Portanto, se a pessoa tiver um domínio muito curto pode ser uma estratégia interessante que as URLs sejam todas numéricas a fim de facilitar o compartilhamento, mas ainda assim amigáveis e não dinâmicas.

Outra solução é fornecer para o seu usuário, um link encurtado (em alternativa a uma URL comprida) para que ele possa disseminar seus conteúdos nas redes sociais:

Encurtador de URLs

O exemplo acima é da Globo.com. No caso de oferecer uma URL curta o redirecionamento da URL curta para a URL amigável e comprida deve ser feita com o redirect 301.

A Conversion na mídia
Rede Globo de Televisão SBT Rede Record TV Bandeirantes Portal do UOL Yahoo Notícias Diário do Comércio e Indústria
Voltar ao Topo
fechar

Solicite Orçamento