Confira os 10 e-commerces brasileiros que mais cresceram durante a pandemia

Bruna Rodrigues
Bruna Rodrigues

O período de isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus gerou um verdadeiro boom comercial no varejo digital do mundo todo.

Pelo menos é o que mostra o mais recente Webshoppers, relatório semestral de levantamento de dados sobre o e-commerce nacional elaborado pela Ebit | Nielsen em parceria com a ELO.

Os números divulgados pelo mais completo documento sobre o assunto apontam um crescimento de até 48% do segmento apenas nos meses de janeiro a abril de 2020 – uma soma de R$ 22,9 bilhões em pedidos feitos pela internet.

O montante representa 32% do resultado de todo o ano de 2019, que somou R$ 61,9 bilhões.

Marcas com maior crescimento

Com base na 41ª edição do Webshoppers, a ferramenta SEMRush fez um levantamento de tráfego para ranquear quais foram os 10 e-commerces mais acessados pelos brasileiros em 2020.

Entre eles estão Lojas Americanas, líder de acessos no país, Amazon, supermercado Extra e Lojas Marisa, cliente da Conversio, agência de SEO & performance, cujo crescimento foi de 42,6%.

Confira o ranking:

Ranking de crescimento (em percentual de acesso):

1. Amazon.com.br – 56,5%
2. Magazineluiza.com.br – 50,5%
3. Mercadolivre.com.br – 48%
4. Extra.com.br – 44,7%
5. Marisa.com.br – 42,6%
6. Dafiti.com.br – 38,7%
7. Americanas.com – 37,8%
8. Natura.com.br – 36%
9. Elo7.com.br – 35%
10. Submarino.com.br – 34,4%

Ranking de visitas (em números de acesso):

1. Americanas.com.br – 183 milhões
2. Magazineluiza.com.br – 98 milhões
3. Elo7.com.br – 87 milhões
4. Amazon.com.br – 68 milhões
5. Submarino.com.br – 35 milhões
6. Extra.com.br – 31 milhões
7. Dafiti.com.br – 27 milhões
8. Mercadolivre.com.br – 17 milhões
9. Boticario.com.br – 15 milhões
10. Marisa.com.br – 13 milhões

Autosserviço desponta durante a crise

Ainda segundo o relatório, uma das fatias do mercado que mais cresceu foi a categoria de Autosserviço, escancarando uma tendência de comportamento do usuário. O faturamento online desta categoria de compra cresceu 63% somente no ano passado.

Outro dado interessante publicado pelo Webshoppers retrata como a crise de COVID-19 foi impactante para o comércio online.

De 17 de março a 27 de abril, período de quarentena, o faturamento do setor no país chegou a R$ 8,4 bilhões, um aumento de quase 50% sobre o mesmo período do ano anterior.

As TOP 3 categorias que mais venderam durante o período de restrição de circulação de pessoas nas ruas foram Eletrônicos, Casa & Decoração e itens de consumo rápido, como alimentos e farmácia.

Confira o nosso mais atual Guia de E-commerce e saiba como preparar a sua loja virtual para as mudanças que estão acontecendo agora!

Quais mudanças você acha que a pandemia ainda trará para os nossos hábitos de consumo? Conte para a gente!

Escrito por Bruna Rodrigues

Escrito por Bruna Rodrigues

Escrito por Bruna Rodrigues

Escrito por Bruna Rodrigues

Compartilhe este conteúdo
Compartilhe
Receba o melhor conteúdo de SEO & Marketing em seu e-mail.
Assine nossa newsletter e fique informado sobre tudo o que acontece no mercado
Agende uma reunião e conte seus objetivos
Nossos consultores irão mostrar como levar sua estratégia digital ao próximo nível.
>