Google deve lançar novo buscador baseado em IA, diz jornal

Lucas Amaral
Lucas Amaral

Project Magi visa conter concorrência e trazer nova experiência de busca ao usuário

De acordo com uma reportagem publicada pelo The New York Times, o Google está trabalhando em um novo mecanismo de buscas. Ao que tudo indica, o buscador pretende incorporar não apenas os recursos de inteligência artificial generativa ao algoritmo (Google Bard), mas também ferramentas inéditas baseadas em aprendizado de máquina à página de resultados. 

A empresa deslocou 160 funcionários em tempo integral para o programa, que recebeu o nome de Projeto Magi. Alguns colaboradores foram convidados para a realização de experimentos e atestar sua capacidade de continuidade conversacional, que dá prosseguimento à busca em vez de considerá-las ações individuais. Para tal, em comunhão, engenheiros, executivos e designers trabalham em sprints para amplificar e testar suas funcionalidades.

A intenção é proporcionar uma experiência de busca original ao usuário, reimaginando a jornada de pesquisa por meio da utilização de chatbots inteligentes, que se adequam de acordo com a solicitação. 

“O novo motor de pesquisa ofereceria uma experiência muito mais personalizada do que o atual mecanismo, antecipando as necessidades do usuário”, relata Nico Grant, repórter do New York Times. 

O Project Magi, como foi chamado em inglês, ainda está em estágios iniciais e não tem previsão de lançamento.

Google pretende testar novos recursos no mecanismo atual

A ideia de apresentar um novo motor de pesquisa ainda está em desenvolvimento. Contudo, algumas das funcionalidades (features) devem ser inseridas no atual mecanismo, incluindo a ideia de transformar a busca em diálogos. Aliás, uma das primeiras adições deve consistir em um sistema chamado de Tivoli Tutor, para ensinar usuários a utilizarem a linguagem natural para realização da busca.

Segundo a apuração do jornal, uma série de iniciativas convergem para a criação da versão moderna do buscador. Entre elas, uma chama a atenção: a manutenção dos anúncios nos resultados de busca que, por enquanto, ainda não aparecem no Google Bard e é uma preocupação latente entre anunciantes, profissionais da área e do próprio Google, cuja principal fonte de renda são os links patrocinados. 

Outra integração pretende oferecer listas pré-selecionadas de objetos para compra e informações adicionais à pesquisa. É possível que algumas delas até já estejam em período de testes, como as novas features de checagem de fatos divulgadas no Google Blog em Março de 2023. 

Não é nenhuma novidade que a companhia deseja investir em inteligência artificial generativa para textos. Mas o novo modelo poderia trazer conteúdos artificialmente criados também em formato de imagem, por meio de uma ferramenta nomeada GIFI, que funcionaria nos moldes de outras já existentes, como Midjourney e DALL-E. 

A implementação também poderia trazer de novo luz a um antigo conhecido dos internautas: o Google Chrome, que deve ter uma barra de pesquisas para fazer perguntas ao chatbot durante a navegação, mesmo em páginas externas ao buscador. 

Há ainda a movimentação do uso da inteligência artificial em outras vertentes, como o Google Earth, e duas funcionalidades inéditas na SERP. A primeira ajudaria o usuário a encontrar músicas (possivelmente em uma busca por áudio), enquanto a segunda auxiliaria a desenvolver códigos de programação.  

Aliança entre Bing e Samsung representa maior ameaça ao Google em 25 anos

A iniciativa se apresenta como uma resposta à crescente onda de ameaças que a maior empresa de tecnologia global vem sofrendo devido ao advento de soluções de IA, como o ChatGPT e, principalmente, sua integração ao Microsoft Bing, mecanismo de busca rival. 

A gota d’água parece ter sido um anúncio que pegou a corporação desprevenida. A Samsung, gigante global no ramo de dispositivos móveis, com 19% do market share (Market Monitor Service, 2022), considera alterar seu mecanismo de busca padrão, trocando o Googlebot pelo Bingbot (Yahoo!, 2023). Essa substituição de contrato acarretaria em um prejuízo estimado em 3 bilhões de dólares anuais em receita para a Alphabet, holding da Google.

Essa seria a maior ameaça do buscador nos últimos 25 anos. Tanto que, após o lançamento das ferramentas da OpenAI, ChatGPT e GPT-3, em Novembro de 2022, foi criada uma força-tarefa que contou, inclusive, com os fundadoresantigos executivos Larry Page e Sergey Brin. 

Diferentemente do Bing, que integrou o ChatGPT ao buscador original, o Google Bard foi lançado como uma ferramenta paralela ao mecanismo de busca. E vem sofrendo duras críticas sociais e de especialistas, como sua capacidade de produzir fake news, erros grotescos e desatualização (The Guardian, 2023), além de acusações de utilização do ChatGPT para treinar a própria IA (AI Business, 2023).   

Google continua a desenvolver projetos com foco em IA e minimiza migração

Sem citar nomes, a matéria do The New York Times diz que conversou com um dos porta-vozes do Google. “A companhia continua a melhorar seu mecanismo de busca para entregar ao usuário mais razões para escolher o Google, e os utilizadores do Android são livres para aderir tecnologias de empresas diferentes”, disse. 

O que, certamente, vai contra as mensagens internas vazadas pelo próprio veículo alguns dias antes, que destacavam uma frase com cerne das conversas: “pânico”. 

Se você deseja receber outras notícias relevantes, assine a nossa newsletter e fique por dentro do que acontece no universo do SEO.

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Compartilhe este conteúdo
Compartilhe
Receba o melhor conteúdo de SEO & Marketing em seu e-mail.
Assine nossa newsletter e fique informado sobre tudo o que acontece no mercado
Agende uma reunião e conte seus objetivos
Nossos consultores irão mostrar como levar sua estratégia digital ao próximo nível.
>