State of Search 2023: estudo realizado pela Semrush revela mudanças nas buscas

Lucas Amaral
Lucas Amaral

Dados mostram impacto das atualizações do Google na volatilidade, intenção de busca e mais

A Semrush divulgou, no último dia 11, os resultados da pesquisa State of Search 2023, realizada anualmente pela empresa de SaaS, uma das mais populares do mercado global de marketing digital.

Para a análise, o estudo apurou os primeiros 50 mil domínios — nos Estados Unidos — de seu próprio ranking de domínios. O sistema considera o tráfego estimado nas 10 primeiras páginas de resultados do Google. Ou seja, os 100 primeiros resultados da busca orgânica. Visando a identificação de tendências, alguns dados são comparados com os anos anteriores.

Para as informações referentes à intenção de busca, foi utilizado um banco de dados de rastreamento contínuo de 159 milhões de palavras-chave.

Tráfego total tem queda, mas se recupera ao fim do ano

O tráfego total dos domínios observados apresentou um valor de 140 bilhões de visitas mensais, em média. 

Aqui, o modelo de avaliação é o clickstream, que considera a sequência de cliques de um usuário durante a navegação e não apenas a fonte de tráfego individual.

Tendência de tráfego total

Como visto no gráfico acima, houve uma queda em abril de 2022, mas a tendência retornou à normalidade em outubro. 

Em um cômputo geral, o tráfego total foi menor do que em 2021 – não sabemos quanto, já que o montante do ano passado não foi divulgado no relatório. 

Tráfego de pesquisa tem, em média, 18% de participação no tráfego total

O tráfego de pesquisa se refere ao tráfego orgânico oriundo dos buscadores. Ele seguiu padrões semelhantes ao tráfego de clickstream, sendo responsável, em média, por cerca de 18% do total entre abril de 2021 e novembro de 2022. 

Os sites com maior percentual de tráfego de pesquisa em relação ao tráfego total foram: 

  • Wikipedia (76%)
  • Apple (35%)
  • Ikea (31%)
  • Amazon (19%)
  • YouTube (7,5%).

Tendência de tráfego de pesquisa por indústria apresenta oscilação

Quando observados os dados do tráfego de pesquisa por indústria, é possível reparar que houve uma grande oscilação. 

Tendência de tráfego de pesquisa por setor em 2022

Alguns insights adicionais do gráfico são: 

  • O setor de viagem apresentou um crescimento constante entre janeiro e junho de 2022, quando sofreu uma queda abrupta até o fim do ano.
  • O setor de mídia teve crescimento acelerado até março e depois despencou.
  • Os setores de beleza e cosméticos e restaurantes e entrega de comida foram os únicos que finalizaram o ano em uma curva ascendente.

Com relação à participação do tráfego de pesquisa no tráfego total, o destaque fica para o setor de eletrônicos. Em dezembro de 2022, o valor total do tráfego de pesquisa e o percentual de crescimento em relação ao último ano por indústria ficou assim: 

Tráfego total por indústria (crescimento anual)

  • Eletrônicos: 345,4 milhões (+16%)
  • Mídia: 518 milhões (+12%)
  • Restaurantes e entrega de comida: 108,2 milhões (+8%)
  • Beleza e cosméticos: 34,9 milhões (+4%)
  • Educação online: 18,9 milhões (-2%)
  • Varejo: 860 milhões (-3%)
  • Viagem: 99,9 milhões (-4%)
  • Serviços e tecnologia: 188,2 milhões (-6%)
  • Moda e vestuário: 137,9 milhões (-14%)

Google realizou 10 atualizações em 2022, mas impacto na volatilidade diminuiu

Embora o Google tenha implementado menos atualizações oficiais em 2022 (10) do que em 2021 (13), há uma tendência de aumento em relação aos anos anteriores. É possível reparar, também, uma maior preocupação do buscador em relação aos updates relacionados a produtos.

Essas atualizações representam consequências na volatilidade da SERP. Em geral, os efeitos das atualizações em 2022 foram maiores que em 2021, mas com uma variação baixa. Em março de 2023, contudo, houve um aumento repentino, chegando a 163% de impacto. 

Buscas por palavras-chave de intenção mais próximas à compra ganharam força

A Semrush divide as intenções de busca em quatro categorias: 

  • informacionais, 
  • navegacionais, 
  • comerciais 
  • e transacionais. 

O relatório aponta uma diminuição do uso de palavras-chave com intenção informacional e navegacional, enquanto há um aumento nas transacionais e comerciais. 

Pesquisas em dispositivos móveis atraem mais cliques para resultados entre as posições 2 e 9

A pesquisa trouxe à tona a taxa de cliques média para cada um dos 10 primeiros links inseridos na SERP para desktops e dispositivos móveis. 

Para a primeira posição, há pouca variação percentual entre o dispositivo utilizado. Contudo, os usuários de mobile apresentam uma maior tendência ao clique em links nas demais posições. 

Imagens e produtos mais populares são vistos com mais frequência na SERP

Nos últimos tempos, o Google adicionou uma série de recursos à sua página de resultados, que são ativados de acordo com a intenção de busca do usuário. Tanto em dispositivos móveis quanto em desktops a feature mais frequente são as pesquisas relacionadas. 

As avaliações, por sua vez, aparecem com muito mais frequência em computadores de mesa. Por outro lado, as imagens são significativamente mais recorrentes no mobile, assim como os produtos mais populares. Nos dois últimos casos houve um ganho de 42,4% e 17% em relação ao ano anterior. 

Se você deseja potencializar a presença orgânica do seu negócio nos mecanismos de busca, entre em contato com a Conversion e fale com um dos nossos consultores.

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Compartilhe este conteúdo
Compartilhe
Receba o melhor conteúdo de SEO & Marketing em seu e-mail.
Assine nossa newsletter e fique informado sobre tudo o que acontece no mercado
Agende uma reunião e conte seus objetivos
Nossos consultores irão mostrar como levar sua estratégia digital ao próximo nível.
>