Entenda a anatomia de uma URL

Lucas Amaral
Lucas Amaral

Uniform Resource Locator indica o endereço de uma página na internet e tem várias particularidades; saiba quais são

URLs são equivalentes ao endereço de uma página na rede mundial de computadores. Elas são representadas pelo texto visível no navegador em um sistema que segue uma lógica linear, comum a quase todas as páginas da web. 

Na teoria, todas são exclusivas e, portanto, apresentam um próprio endereço de rede. É como se cada uma fosse uma residência, por isso, não podem compartilhar um mesmo local. 

A internet é um terreno vasto. Atualmente, há pelo menos 25 bilhões de páginas indexadas na web e cerca de 252 mil novos websites são criados todos os dias (Siteefy, 2021). Fazer com que o usuário opte pela sua URL, em meio a tantas outras, é um desafio facilitado por meio do SEO

Por isso, compreender sua anatomia é um fator crucial na hora de atrair visitantes. Se você quer saber quais são os componentes de uma URL, continue a leitura e veja quais são os itens que compõem esse elemento.

O que é uma URL?

URL é a sigla para Uniform Resource Locator (Localizador Uniforme de Recursos). Trata-se de um endereço digital para localizar e acessar páginas, arquivos, imagens ou outras fontes na web. 

O usuário digita a URL no navegador, que por sua vez a decodifica para encontrar o endereço de IP (um valor numérico) do servidor, tornando a página visível. 

Para isso, é realizada uma leitura do código da página, desenvolvida por meio de linguagens de programação, dados estruturados e meta tags.

Em outras palavras, a URL é uma sequência de caracteres para acessar uma página.

Diferença entre website, domínio e webpage

Uma URL é singular e referente a uma única webpage (ou página na web). Um website, representado por um domínio principal, é formado pelo conjunto de webpages (home, “sobre”, “contato”, landing pages ou blog). 

Cada blog post também recebe sua própria URL. 

Qual é a aparência de uma URL?

Aos olhos do usuário, uma URL é uma linha de texto com separadores que representam intervalos entre os itens.

Ou seja, possui uma série de itens sequenciais. Os principais são:

  • Protocolo
  • Hostname
  • Subdomínio
  • Domínio
  • TLD (Top-Level Domain)
  • Subdiretório (ou subpasta)
  • Slug (ou outra variação)

Note que nem todos os elementos precisam, necessariamente, aparecer em uma URL. Muitas delas não possuem subdomínio, subdiretório ou slug, por exemplo. 

Outros itens que podem aparecer em uma URL são: 

  • código do país (.br para Brasil, .uk para Reino Unido, .ar para Argentina etc);
  • porta;
  • parâmetros ou separadores de cadeia de consulta (./?#=&);
  • âncora ou fragmento;
  • UTM;
  • documento.

Cada um deles envia um comando ao servidor e possui diferentes funcionalidades dentro da World Wide Web. Ou seja, indicam o caminho a ser percorrido para visualização da página.

Algumas fontes podem apresentar outras nomenclaturas ou considerar um conjunto de elementos com denominação própria. 

Quais são as partes de uma URL?

Uma URL possui componentes obrigatórios e opcionais. A seguir, conheça os mais aplicados.

Protocolo

https://:

O protocolo, também chamado de esquema, indica o tipo de segurança utilizada para acessar a página. Atualmente, o HTTPS (Hypertext Transfer Protocol Secure) é o mais utilizado por se tratar de um modelo seguro de criptografia para transferência de dados. Em alguns navegadores, esse elemento de URL pode estar oculto. 

Para SEO, o protocolo de segurança é um indicativo de confiabilidade, portanto, um fator de ranqueamento. 

Hostname

www

Antigamente, era muito comum que todas as URLs na web iniciassem com “www” para indicar onde o site está hospedado: na World Wide Web. 

Com o passar do tempo, isso deixou de ser mandatário, tornando-se opcional para administradores de sites e sem influência direta na otimização para mecanismos de busca. Assim como o protocolo, pode vir ocultado em alguns navegadores.

Na prática, esse item é, também, um subdomínio, pois URLs com e sem o “www” podem levar a caminhos diferentes. 

Subdomínio

O subdomínio não está presente no nosso exemplo original. A razão disso é que a Conversion opta pela utilização de subdiretórios no site, o que é uma decisão estratégica. 

Embora tenha relação hierárquica com o domínio principal, o subdomínio avalia dados separadamente. Para os profissionais de SEO, essa é uma opção para elaborar diferentes ações. 

Na Conversion, por exemplo, o subdomínio é usado para diferenciar atividades no site e em nossa academia, tratando-os com independência. 

New call-to-action

Domínio

conversion

O domínio é o nome do site, também chamado de SLD (Second-level Domain). Para sites institucionais, normalmente é atribuído o nome da marca. 

TLD (Top-level Domain)

com.br

O TLD especifica o nicho ou atividade de um site na web. Embora não haja obrigatoriedade, normalmente segue os seguintes padrões de referência: 

  • .com: instituições corporativas
  • .edu: instituições de ensino
  • .org: organizações sem fins lucrativos
  • .gov: instituições governamentais
  • .net: redes

Também pode conter o código do país. Nesse caso, o “.br”, que representa a localização no Brasil.

Subdiretório

/blog

O subdiretório, também chamado de subpasta, é o item que vem após a barra final de uma URL. Ele divide o domínio em seções, especificando o local exato para a verificação dos crawlers. 

Em uma analogia simples, se o domínio é um armário, os subdiretórios são as gavetas. Eles são hierarquicamente inferiores na arquitetura do site e, por isso, compartilham a autoridade de domínio com o site principal.

A escolha entre subdiretório ou subdomínio é muito comum para blogs. Embora o próprio Google afirme que consegue identificar subdomínios relacionados ao domínio principal, muitos profissionais mantêm um posicionamento diferente e têm preferência pelo subdiretório.

Slug

/o-que-e-seo

O slug é, em boa parte das vezes, a última parte da URL. É muito comum ser atribuído em blog posts, para os quais são destinadas páginas individuais. 

Tendo em vista criar uma URL amigável, normalmente os slugs contêm a palavra-chave principal do artigo, o que facilita a leitura dos buscadores. 

Se você precisa de um parceiro para auxiliá-lo em suas atividades de SEO, entre em contato com a Conversion, agência com anos de experiência de mercado e times totalmente dedicados à área. 

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Escrito por Lucas Amaral

Compartilhe este conteúdo
Compartilhe
Receba o melhor conteúdo de SEO & Marketing em seu e-mail.
Assine nossa newsletter e fique informado sobre tudo o que acontece no mercado
Agende uma reunião e conte seus objetivos
Nossos consultores irão mostrar como levar sua estratégia digital ao próximo nível.
>